Chute 040 – Amazônia e fronteiras com Tassio Franchi

Nesta edição recebemos o professor Tassio Franchi (ECEME) que fala sobre a importância da Amazônia para o desenvolvimento do Brasil e para a integração regional, e dos desafios da região para a segurança e defesa nacional. Explore conosco a riqueza natural, cultural e intelectual amazônica e prepara-se para um dos melhores chutes de escada de todos os tempos.

Agora o Chutando a Escada faz parte do Portal Deviante. Com a proposta de ser um lugar para falar sobre ciência, cultura e diversão por um mundo menos medíocre, o Deviante reúne escritores, podcasters e notícias sobre o mundo da ciência, tecnologia, games e entretenimento. Saiba mais em http://www.deviante.com.br/

Venha fazer parte do grupo do Chutando a Escada no Telegram! É só entrar em t.me/chutandoaescada

Comentários, críticas, sugestões, indicações ou dúvidas existenciais, escreva pra gente em perguntas@chutandoaescada.com.br

Participaram desse podcast:

Filipe Mendonça – facebook.com/filipeamendonca
Geraldo Zahran – facebook.com/geraldo.zahran
Tassio Franchi – facebook.com/tassio.franchi

Conheça também a Ana Rosa, do Podcast Apenã, que é do Pará e gentilmente leu a poesia de abertura pra gente. twitter.com/ApenanPod

Trilha Musical

Rio Amazonas – Renato Braz e Zé Renato
Luneta Mágica – Lulu
00:00 – Hope
Trem de rio – Raízes Caboclas
Mezatrio – Qualquer Um

Trilha de fundo

Muiraquimbó Orquestra – Clipe
Canto dos Índios Yawanawá na Eco Aldeia Flecha d – Canoa Quebrada
Raminô – Yawanawa (Canto Mulheres Índigenas)
Cantos da Floresta – Grupo Imbaúba e o poeta Celdo Braga
Heitor Villa – Lobos – A Floresta do Amazonas – Oficial

Poesia da abertura – Identidade, de Celdo Braga

“Toda vez que ouço o rio
deslizando lentamente
em busca do mar
Ouço o eco da saudade
dos meus pais
dos meus avós
ressoando em mim…
Minha parte nordestina
querendo voltar
Mas ao entrar na canoa
uma voz bem lá do fundo
soa, dizendo não vá
É o som de todas as tribos
tamborilando meu peito…
Minha parte índia
querendo ficar
Daí olhando pro rio
com sede de identidade
entendo que na vontade
de partir e de ficar
o meu ser caboco é
o encontro de duas águas
metade rio, metade mar “