A eleição acabou e Jair Bolsonaro é o presidente eleito do Brasil. Junto com ele, uma onda de novos velhos políticos assumirão os governos estaduais em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e muito outros estados. Como afirmamos ao término do primeiro turno, a eleição de 2018 deu expressão a uma grande onda conservadora na política e na sociedade brasileira. Pela primeira vez desde o fim da ditadura militar, temos políticos e movimentos de extrema-direita no Brasil sem vergonha de admitirem-se como tal.

Após o primeiro turno, o Chutando a Escada passou a produzir episódios e conteúdos com o objetivo de enfrentar os boatos e notícias falsas que marcaram essa eleição, e contribuir de alguma maneira para uma reflexão mais ampla sobre as propostas dos candidatos. Seguiremos com a nossa linha editorial, trazendo reflexões sobre política internacional com pesquisadores e especialistas em diversos temas, mas sem nunca deixarmos de nos posicionar sobre a conjuntura e a política brasileira.

Entendemos que a eleição de Jair Bolsonaro carrega consigo sérias ameaças à sociedade e a democracia no Brasil. Suas posições como candidato sinalizaram retrocessos nas áreas de direitos humanos, meio ambiente e igualdade de gênero, entre muitas outras. Os ataques vieram também de lideranças próximas ao presidente eleito, com menções a um auto-golpe, a uma constituinte de notáveis, ao fechamento do Supremo Tribunal Federal, dentre tantas agressões a Constituição.

Os discursos de ódio e apoio à tortura do presidente eleito ganham especial preocupação frente aos mais de 70 ataques perpetrados seus simpatizantes desde o início das eleições. Bolsonaro não só não condenou a violência praticada por seus apoiadores, como declarou não ser responsável por ela.

Ao mesmo tempo, fez insinuações sobre a morte de seus opositores ao falar em mandá-los para a “ponta da praia”, um centro de extermínio da ditadura militar no Rio de Janeiro, e comparar-se com Duque de Caixas, que ganhou a alcunha de “pacificador” por eliminar seus inimigos.

Desde que foi eleito, Jair Bolsonaro já ameaçou a liberdade de imprensa, a liberdade de cátedra nas Universidades, e anunciou como seu Ministro da Justiça o homem que mandou prender seu maior adversário político. Os absurdos são tantos que veículos de imprensa internacional como o The New York Times, The Washington Post, El País, Le Monde, The Guardian, The Economist, entre outros, já noticiam as ameaças às instituições democráticas no país.

Como fez o candidato derrotado Fernando Haddad, desejamos ao presidente eleito sucesso. Mas infelizmente, nosso otimismo na ação não pode se sobrepor ao pragmatismo na análise, e as demonstrações de violência e polarização só tem feito aumentar desde o fim da eleição.

O momento agora é de organização e de desenvolvimento de estratégias para enfrentar o novo cenário. Reiteramos o compromisso do Chutando a Escada com o apoio e divulgação de mídias alternativas, com as pautas de gênero, com a defesa da universidade e da ciência, com os valores democráticos e com os direitos instituídos pela Constituição Cidadã. Sabemos que os próximos anos exigirão de nós muita luta, resiliência e solidariedade. Mais do que nunca, tenham a convicção de que vocês não estão sós.

Seguiremos juntos e juntas!
Seguiremos juntos e juntas!
Seguiremos juntos e juntas!
Seguiremos juntos e juntas!

3 comments on “Editorial: O que vem após as eleições
  1. Edson disse:

    Desculpem minha ignorância, mas como faço para baixar esse episódio?

    1. Geraldo Zahran disse:

      Não é ignorância não, Edson.

      Normalmente dá pra clicar no player do SoundCloud e escolher a opção de baixar o episódio.

      Mas pra ficar mais fácil, tenta esse link aqui: http://feeds.soundcloud.com/stream/525415254-chutandoaescada-editorial-o-que-vem-apos-as-eleicoes.mp3

      1. Edson disse:

        Muito obrigado. Uso o conteúdo de vocês em sala de aula, o que acaba produzindo ótimos questionamentos. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *