Nos últimos anos, a onda de governos conservadores ganhando força em todo o mundo nos forçou a voltar a pensar sobre a importância do nacionalismo. Mas a Tatiana Vargas-Maia (Universidade LaSalle) veio nos mostrar porque que, na realidade, essa temática nunca deixou de ditar os rumos da política internacional contemporânea, e quais as particularidades desses nacionalismos cada vez mais excludentes do momento histórico que vivemos.

Para apoiar o Chutando a Escada, acesse chutandoaescada.com.br/apoio

Comentários, críticas, sugestões, indicações ou dúvidas existenciais, escreva pra gente em perguntas@chutandoaescada.com.br

Participaram desse podcast:

Debora Prado – twitter.com/debfbp
Carolina Pavese – facebook.com/carol.pavese.7
Tatiana Vargas-Maia – twitter.com/estocastica

Conheça alguns trabalhos da Tatiana Vargas:

Pastelletto, N. S.; Maia, Tatiana Vargas. Mulheres às urnas: Cidadania feminina nas páginas da Revista da Semana (1931-1933).
Maia, Tatiana Vargas. Modos de pertencimento, fontes de guerra: nacionalismo e identidade religiosa nos séculos XX e XXI
Maia, Tatiana Vargas. Entrevista com a Professora Doutora Tatiana Vargas Maia sobre Nacionalismos no Século XXI.
Pinheiro Machado, R.; Maia, Tatiana Vargas. As múltiplas faces do conservadorismo brasileiro.

Citados no episódio:

Hannah Arendt – Origens do totalitarismo: Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo
Michael Billig – Banal Nationalism
James Mayall – Nationalism and International Society
Rogers Brubaker – Citizenship and Nationhood in France and Germany
Elizabeth Cohen – Semi-Citizenship in Democratic Politics
BBC Brasil – O que é o fascismo? (Entrevista com Emilio Gentile)

Trilha sonora:

Chico Buarque, Apesar de você
Ana Cañas, Coração Selvagem
Marisa Monte, Calma

4 comments on “Identidade e nacionalismo, com Tatiana Vargas
  1. GORETTE LIRA disse:

    Saudade de vocês , comecei a ouvir outros podcasts, também é preciso conhecer outras vozes. mas vou voltar.

    1. Geraldo Zahran disse:

      Bem vinda de volta, Gorette!

  2. Narciso Pareja disse:

    Super fã do programa!

    Só queria dar destaque uma questãozinha num fala:
    Como militante (e “combatente”, com atendimento jurídico voluntário) nas causas da Migração e do Refúgio, buscamos erradicar o uso da palavra “estrangeiro” para tratar dos migrantes, refugiados e asilados que estão residindo no país.

    É um preciosismo linguístico e conceitual, entendemos! Mas, por posicionamento político, busca-se não usar o termo que tem, no seu radical, a associação da pessoa que vem de fora como “estranha” ao país.
    Historicamente esse termo foi usado para justificar privação de direitos a quem se mudava para cá, é o caso do “Estatuto do Estrangeiro”, por exemplo, que na ditadura proibia até manifestação política de quem não era brasileiro e tratava a migração como uma questão de segurança. O atual desgoverno vem securitizando o tema, novamente, as questões de emissão de visto de residência no Itamraty, por exemplo, eram tratadas pelo Divisão de Imigração para o Departamento de Segurança e Justiça (parte da Secretaria de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania); afinal, receber haitianos, senegaleses e sírios — para o atual Executivo — é uma grande ameaça à segurança e soberania nacionais.

    Chamá-los de imigrantes é o mais adequado (há certa discussão teórica se os refugiados são um gênero da família “imigrantes”, ou um grupo a parte; mas, no geral, entende-se que a palavra abarca a ambos). É só mais uma pequena tentativa de descolonizar a língua, mas pode ser muito marcante para quem passa boa parte de sua vida sendo atacados por “não pertencerem” ao pais.

    Valeu pela atenção e excelente trabalho!

    1. Geraldo Zahran disse:

      Excelente comentário, Narciso! Obrigado pelo esclarecimento e vamos tentar nos policiar. Não tem nada de “preciosismo linguístico e conceitual”, é só assim que descolonizamos não só a língua, mas nossa sociedade como um todo.

      Tenho a impressão que você vai gostar do próximo episódio.

      Abraços e obrigado novamente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *