O professor Acácio Augusto (Unifesp) fala do livro “Antifa – o Manual Antifascista” de Mark Bray. Ouça com a gente e entenda porque calar a boca de um fascista é o maior ato de defesa da liberdade que você pode fazer hoje!

Para apoiar o Chutando a Escada, acesse chutandoaescada.com.br/apoio

Comentários, críticas, sugestões, indicações ou dúvidas existenciais, escreva pra gente em perguntas@chutandoaescada.com.br

Participaram deste episódio:
Filipe Mendonça – twitter.com/filipeamendonca
Geraldo Zahran – twitter.com/gnz20
Acácio Augusto – twitter.com/acacio1871

Ouça também:
Chute 074 – Lições sobre fascismo e antifascismo, com Gianni Fresu

O livro do Mark:

Mark Bray (2019) Antifa – o Manual Antifascistahttps://amzn.to/34waZab

Trilha sonora:
-Juventude Maldita, Para as barricadas
-Sang Mele, The dance of the Rebels
-Sin Dios, Alerta antifascista
-Zudizilla, Erro
-Dead Kennedys, Nazi Punks Fuck Off
-Εξταση Τεαμ, Ανταρσια

Capa do episódio:

11 comments on “Bater onde dói… e com força
  1. Marcos Vichi disse:

    Olá boa noite.

    Como eu faço para fazer o download do episódio?

    1. Geraldo Zahran disse:

      Oi Marcos,

      É só clicar no ícone no final do player, do lado direito.

  2. SERGIO SIMAO MATTA disse:

    Boa noite, tudo bem? Episódio sensacional, muito obrigado. Eu só não consegui entender o nome do historiador francês que o Acacio citou. Poderia me passar por favor? Obrigado.

    1. Geraldo Zahran disse:

      Putz, ele citou tanta gente! Você lembra em que minuto?

      Francês eu lembro do Daniel Guérin. É esse?

      1. SERGIO SIMAO MATTA disse:

        Esse mesmo. Muito obrigado.

  3. Rodrigo Silva disse:

    Curioso. Muitos dos métodos considerados fascistas pelo convidado são também adotados pela esquerda “progressista”. Digo, como exemplo, a história de ligar para o trabalho de um opositor para buscar a demissão do sujeito. A esquerda faz isso com MUITO mais frequência. Essas pessoas que fazem isso, mesmo sendo de esquerda, são fascistas ou a regra para eles é diferente?

    1. Geraldo Zahran disse:

      Ih, Rodrigo! Tá parecendo o presidente dizendo que tem ONG botando fogo na Amazônia… Que o esquerda faz isso aí? Diz aí o nome de organizações progressistas que fazem isso “com MUITO mais frequência”.

      Boataria aqui não.

      E a esquerda vai ligar pra empregador e falar o que? Olha, o seu empregado e a favor das elites e do grande capital?

      Agora se for pra ligar pra polícia e denunciar racismo, homofobia, assédio, violência contra mulheres e/ou minorias, aí não é fascismo não. É denúncia de crime mesmo.

      No hipotético caso que você nem citou qual é, de supostos grupos de esquerda usarem táticas fascistas, linchamento virtual, insinuações, etc, aí é prática de violência sim, não compactuamos com isso de lado nenhum. Fica aí nos próximos episódios que vamos deixar isso bem claro.

      1. julia disse:

        Gostei muito.
        realmente em alguns aspectos esta nova extrema direita difere muito da da década de 30 em outros é similar. Para a extrema direita é imprescindível participar de eleições e fundar partidos políticos para participar a oposição que eles dizem ter ao sistema é apenas retórica. vídeo partido criado na Alemanha um partido elitista que não tem nenhuma plataforma senão anti imigração e o racismo.

  4. Celso disse:

    Boa tarde. Já escutei vários episódios do podcast mas nunca escrevi. Quero apenas dar os parabéns pelo ótimo trabalho. Junto com o Xadrez Verbal, este podcast é o meu favorito sobre política internacional. Grande abraço.

    1. Geraldo Zahran disse:

      Valeu, Celso!
      Obrigado pelo apoio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *