Recebemos a professora e pesquisadora Gabriela Spanghero Lotta (FGV) para um papo sobre os impactos da pandemia no SUS e nos profissionais da linha de frente dos serviços públicos. Qual é a importância do SUS? A reforma administrativa é a solução para o orçamento da saúde? O Estado brasileiro é muito grande? Aperte o play e descubra.

Para apoiar o Chutando a Escada, acesse chutandoaescada.com.br/apoio

Comentários, críticas, sugestões, indicações ou dúvidas existenciais, escreva pra gente em perguntas@chutandoaescada.com.br

Você pode ler a transcrição desse episódio aqui.

Participaram desse podcast:

Filipe Mendonça – twitter.com/filipeamendonca
Geraldo Zahran – twitter.com/gnz20
Gabriela Lotta – twitter.com/gabilotta

Alguns trabalhos da Gabriela Lotta:

Por uma agenda brasileira de estudos sobre implementação de políticas públicas
Street-level bureaucrats under COVID-19: Police officers’ responses in constrained settings
Momentos da Recentralização: repasses e relações intergovernamentais no Brasil (1995-2014)
Burocracia, redes sociais e interação: uma análise da implementação de políticas públicas

Citados no episódio:

Cidades pró-Bolsonaro registraram maior taxa de contágio pela Covid-19, indica estudo
National UK programme of community health workers for COVID-19 response
Verba menor para saúde em 2021 coloca SUS em risco, dizem especialistas

Conheça o Núcleo de Estudos da Burocracia (NEB) e o Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS), e ajude na divulgação do Projeto Saúde na Cidade!

Trilha Sonora:
-Reiventário, Mariana Moura
-Mal pra saúde, Clarice Falcão
-Sob pressão, Chico Buarque e Gilberto Gil
-Obrigado Doutor, Silvio Caldas
-Sem saúde, Gabriel Pensador

3 comments on “SUS, pandemia e reforma administrativa
  1. Lisa Costa disse:

    Acabei de ouvir o episódio sobre o SUS e achei muito bom! Só gostaria de fazer uma correção quanto a PEC do Teto. No episódio vocês dizem que uma reforma fiscal seria uma solução possível. No entanto a pec do teto (apelidada de pec da morte, lembram?) não atrela o aumento de gastos à arrecadação, mas sim à inflação. Ou seja, ainda que o governo federal gere uma nova fonte de renda, os investimentos estatais só podem crescer o mesmo que a inflação do ano. Nesse ponto concordo com a convidada, o teto é insustentável.

    1. Geraldo Zahran disse:

      Obrigado, Lisa.

      Você está corretíssima sobre o aumento atrelado à inflação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *